quinta-feira, novembro 16, 2006

Uma "bolachada"

A marcha do tempo é inexorável, imparável!
Chega mesmo a ser impiedosa.
Tomamos consciência disso, às vezes de uma forma brutal.
Prova disto mesmo é o crescimento dos filhos, com o consequente aumentar da sua capacidade de argumentação:
- Papá, que(r)o bolachinhas do Noddy.
- Ó filha já não temos, acabaram.
Pensei que a coisa ficasse por ali. Engano 1...
- Papá então que(r)o biscoitos da mamã.
Bom eu aqui já comecei a ficar meio zonzo.
Os biscoitos tinham sido uma ideia excelente da mãe (que até a conseguiu pôr a ajudar na confecção dos mesmos), mas que tinham acabado já há semanas. A memória dela é prodigiosa.
Retorqui:
- Ó filhota, já não há biscoitos. Acabaram há muito.
E sorri, convencido que tinha ganho a discussão. Engano 2...
- Papá, então que(r)o bolachas "nomais".
Fui ao tapete.
Como é que um pirralho deste tamanho consegue dar-me luta com três argumentos dentro da mesma temática?
É nestas alturas que sinto o peso dos anos, os cabelos brancos a despontarem, a incapacidade de argumentação tão típica de uma senilidade que se instala lenta, mas seguramente.
Por outro lado há dois pontos bons:
- a miúda é persistente, luta por aquilo que quer e não se deixa derrubar pelos obstáculos que se lhe deparam no caminho;
- o outro ponto é bom... mas não para mim!
É bom para a farmácia cá da terra, porque se isto agora anda assim quero ver como é que daqui a 10 anos vou ter arcaboiço para esgrimir argumentos com ela.
E a farmácia corre o risco de entrar no Guiness à conta dos analgésicos que me vai vender para fazer face às dores de cabeça que a pequena me vai dar...

3 Comments:

Blogger Márcia Santos said...

A Mariana é 5 estrelas... Hábil, determinada e persistente.
Bem, quanto ao poder de persuasão da pequena, não restam quaisquer dúvidas!
Ela vai dar "luta" aos papás.
Bjinhos

17/11/06 00:10  
Blogger a cusca said...

Ainda me lembro (e todos fazem questão de não me deixar esquecer) de uma cena parecida, quando eu era pequenita... Mas, meu amigo, para o meu padrinho, a coisa correu bem pior...
Uma noite, tinha ficado a dormir em casa da minha avó, onde tb vivia o meu padrinho. Ele chega a casa do café, cerca da meia noite. Uma boa hora para pedir bolinhos, e não eram uns bolinhos quaisquer, eu queria bolinhos de limão. Não havia em casa. Tanto o meu padrinho como os meus avós fizeram de tudo para me convencer a comer outros, pq não havia e a lojinha estava fechada. Pois... até perece que isso era desculpa. Por acaso, mas só por acaso, que culpa tinha eu, uma pirralha de +- 3 anos, que a loja estivesse fechada... eu queria os bolinhos e mais nada. Acho que foi uma noite muito dificil...

Força, isto não vai dor nada...
Beijinhos

17/11/06 09:28  
Blogger pedroepedrofilho said...

Os nossos pirralhinhos, tão pequeninos e tão fortes!
São IMBATIVEIS!! Não é!?
Mas é saudavel. O pior é quando forem adolescentes! Isso é que nos vai dar dores de cabeça! Venham os analgesicos!
Pedro

17/11/06 11:41  

Enviar um comentário

<< Home