terça-feira, fevereiro 27, 2007

Chupetas - o momento presente

Nestes últimos dias andamos em mãos com uma tarefa verdadeiramente hercúlea: diminuir, na medida do possível, o uso da chupeta por parte da pequena.
Isto é sempre um assunto delicado e passível de diversas abordagens.
Já li artigos que referem que a chupeta não interfere minimamente com a dentição definitiva.
Já falei com outros pais que têm a sensação que sim senhor, entortou os dentes da pequenada.
O que é certo é que já notávamos um certo arqueamento dos dentes incisivos da cachopa.
Para além disso havia o problema da chupeta nunca sair daquela boca, nem mesmo para falar. Nós já estávamos habituados, mas as pessoas de fora tinham muitas dificuldades em percebê-la.
A coisa assustou-nos quando há tempos procurámos uma foto dela sem chupeta e... não encontrámos!
Então na semana passada ela quis ir fazer cocó à sanita (léria, porque na verdade só faz na fralda). Mas tudo bem sentei-a lá com o redutor. Ela saiu quando muito bem entendeu e depois, numa atitude muito comum a todos os bebés mas que tem o seu quê de intrigante, resolveu ir espreitar lá dentro. E... pumba! Chupeta lá dentro!!
Aproveitei logo para lhe dizer que a "pêpê tá estragada".
Ela resolveu a questão pedindo a "pêpê côr-de-rosa", que é uma mais pequena que ela usa só para dormir.
No dia seguinte ao sair de casa pediu para levar a chupeta. Disse-lhe que essa chupeta não dava para prender o fio e que, se a perdesse, acabavam as chupetas. Ela, a contragosto, lá acedeu a sair sem chupeta. E passou o dia bem, com uma pequena recaída ao pé do avô, mas facilmente ultrapassada.
E agora é neste ponto que estamos: só usa chupeta em casa, na rua não.
O único ponto que tem que ser afinado é o volume da voz.
É que ela continua a falar no mesmo volume que falava quando tinha um objecto enfiado na boca.
Mas como da última vez que vi os tampões de ouvidos estavam (bem) mais baratos que um aparelho de dentes... por mim tudo bem!

6 Comments:

Blogger Rodrez said...

O meu chucha no dedo, chama-lhe "consolo" - induzido pela avó paterna.
Como não se pode cortar o dedo, por motivos óbvios, a ida ao dentista por causa de uma fractura após uma queda, em que o Dentista disse-lhe tens de deixar de chuchar no dedo, bem como, a existência de amigos adultos com aparelhos nos dentes (em que perguntamos se quer usar um aparelho igual à M...) ajudaram a fazer com que o rapaz apenas chupe o dedo para dormir e para "acordar" pela manhã.
Pensávamos que ia ser um "aí Jesus" largar o dedo no dia-a-dia, bem como o peluche (um acompanha o outro), mas felizmente a coisa correu muito bem, abençoado dentista. ;-)
A ideia de irem retirando lentamente e reduzirem a dependência da chupeta ajudará a retirá-la qdo entenderem conveniente.
E há prái muita história interessante de como as chupetas desaparecem, a minha foi uma avó que aproveitou um passar de um rebanho de ovelhas e disse-me que a tinha dado a uma ovelha...nem refilei, devo ter achado que a mesma tinha ficado bem entregue ;-)

27/2/07 18:07  
Blogger mamã Xana said...

Com a C. também usámos essa estratégia... não foi logo, mas resultou.
Acabou por ser uma trasição sem dramas, o que é muito melhor (as tentativas anteriores apenas tinham resultado em sessões de choro. :S).

Que vos corra tudo bem!

27/2/07 22:00  
Anonymous Sandra Gerardo said...

Tenho um pequeno com 3 anos para quem a chucha era a "amiga", era o seu grande consolo embora já só a usasse para dormir há mais de 6 meses. Quando viemos de férias de Verão aproveitamos para dizer que todas as chuchas tinham ficado na casa da avó e agora só lhe restava aquela. Numa manhã há um mês atrás, também depois de fazer o seu xixi na sanita, deixou cair a amiga ... o pai aproveitou logo para puxar o autoclismo e a amiga lá foi. Ele percebeu muito bem, ainda perguntou por ela nessa noite mas como não havia nada a fazer, depressa se conformou! Se o desaparecimento for convincente, eles habituam-se. Agora ainda dorme com o "amigo", o boneco Dudu, que lhe confere a segurança necessária e não representa perigo para a dentiçã...
Boa sorte!
P.S. Adoro o teu blog! Acho que me vou inspirar para criar o meu próprio.

28/2/07 02:18  
Blogger Chris said...

A minha mãe disse que conseguiu que eu deixasse a chupeta pondo um pouco de pimenta na mesma... lol
Pode ser que resulte...
ehehehhe

Abraço

28/2/07 11:06  
Blogger Monica said...

A Luísa largou a chucha com 2 anos e pouco; era mais para dormir e quando estava com o mimo mas decidimos que estava na altura.
Um dia ficou na escola e fingimos que não havia mais nenhuma... chegando à escola, azar dos azares, "houve um cão que a levou!!", até hoje :)
Ela sempre usou as da Avent e até essa altura nunca lhe vimos alteração nas dentolas, são muito boas, mas de qualquer maneira sou da opinião que não é, de todo, saudável para a dentição.
Espero que consigam continuar esta fase de ausência de chucha :)
beijos
(a minha ficou foi muito agarrada à fralda de pano para dormir mas antes assim)

2/3/07 10:13  
Blogger Onisa said...

Olá...não me querendo meter...mas já metendo...digo-lhe que a chupeta é um mal maior para os dentes da pequeneda e não só. Não digo isto por senso comum mas porque sou educadora de infância e foi um dos temas que focamos bastante aquando da minha formação. Além de entortar os dentes dos mais pequeninos, atrasa o desenvolvimento da linguagem oral e a correcta articulação das palavras...podem resultar daí problemas de dislexia...além de muitos outros.
A "chucha" pode parecer um objecto bastante corriqueiro e sem importância alguma mas com o uso corrente tem consequências bastante graves...

Desculpe a intromissão mas como sou uma defensora acérrima da não utilização da chupeta achei por bem dizer-lhe isto.. Ah e claro dar-lhe os parabéns pelo blog (com o qual passo momentos de garagalhada) e pela tentativa esforçada que estão a fazer(você e a sua esposa) em retirar a chucha à menina. Os meus parabêns.

Continuação de bom trabalho...

3/3/07 15:32  

Enviar um comentário

<< Home